segunda-feira, 26 de agosto de 2013

De 26 de Agosto a 1 de Setembro

A carta da semana é o 3 de paus, representada pelas Deusas Horas, Eunomia, Dike e Irene, a justiça, a disciplina e a paz. A frase que as define é a seguinte: “O poder das estações que nós controlamos tem sido celebrado desde os primórdios dos tempos. Agora esse poder está nas tuas mãos”.

Esta é uma semana de alguma exigência para si. Deve ouvir a sua intuição, manter-se firme e calmo, não fazer juízos de valor apressados e disciplinar-se aperfeiçoando algumas das características que são menos negativas no seu carácter.

Conselho: esta semana surpreenda-se a si mesmo, vá mais longe, ponha à prova o seu auto-aperfeiçoamento. Você tem um enorme poder dentro de si, muitas vezes pode nem dar-lhe o devido valor. Desenvolva-o e surpreenda-se a si mesmo. 

quinta-feira, 22 de agosto de 2013

Porque no Hemisfério Sul se abre o circulo no sentido anti-horário

Porquê há pessoal que abrem o circulo mágico no sentido contrário no Hemisfério Sul? E como se deve abrir realmente?
Este tópico pretende responder a essas perguntas. 

Foto retirada do site

Já encontrei algum pessoal pagão brasileiro que abre o círculo de forma contrária e isso sempre me fez confusão. Afinal no hemisfério Sul os pontos cardeais não são os mesmos? O Sol não nasce a Este e põe-se a Oeste? Então porquê desenhar o círculo de forma contrária?

Isso deve-se à força de Coriolis. Vou deixar um ficheiro informativo no final do post, assim como um filme que podem assistir sobre este efeito. Mas uma das consequência da força de Coriolis é a forma como a água corre na pia. Sendo que no Hemisfério Norte a água escorre no sentido anti-horário e no Hemisfério Sul a água escorre no sentido horário.



Desta forma é possível perceber que, para mandar energia embora, no Hemisfério Norte deve ser feito pelo sentido anti-horário (quando fechamos o circulo mágico, fazemos nesse sentido) e para canalizar energia devemos seguir o sentido horário (como na abertura do circulo). Já no Hemisférios Sul, funciona de forma oposta. Ora para quem abre o círculo no Hemisfério Sul fica o dilema: fazer no sentido horário seguindo os elementos e os quadrantes? Ou abrir o círculo tendo em conta a força de Coriolis?



Nós devemos abrir o círculo no sentido horário, porque tem uma lógica, se começamos por Este, o Este representa o início, a manhã, o nascimento, a Primavera, quando nos deslocamos para Sul, o que corresponde ao sentido horário, temos a representação do fogo, da adolescência, do meio-dia, o Verão, e ai por diante. Ora no Hemisfério Norte não temos qualquer problema, pois a força de Coriolis, neste Hemisfério, faz com que a o sentido horário seja a canalização da energia o que coincide com os elementos e a forma de abertura do círculo. Mas, e quem está no Hemisfério Sul? Como fazer?

A meu ver, quem é do Hemisfério Sul deve fazer aquilo que sentir melhor. Se quiser respeitar a força de Coriolis e canalizar a energia no sentido anti horário então que assim seja, se por sua vez prefere seguir os elementos e a ordem do círculo então tudo bem. Acho que se fosse eu seguia pela segunda, pois para mim não me faria sentido abrir um círculo indo da velhice , para a fase adulta, depois para a adolescência e por fim nascimento… simplesmente não me encaixava. Tendo em conta que existe aqui, esta divergência, também não posso dizer que seja errado fazer no sentido contrário. 

Às vezes tenho a sensação que as religiões foram pensadas no Hemisfério Norte e quando são adaptadas ao Hemisfério Sul acaba por haver esta lacuna. Por exemplo nós podemos ligar o Yule ao Natal sem qualquer problema, agora quem está no Hemisfério Sul, festejar Litha que representa a força máxima do Deus, quando anda tudo a celebrar o nascimento, deve ser muito desconcertante. Mas isto é apenas um pensamento meu.

Este foi um tópico que abri no Forum Mundo Verde, por isso sinta-se à vontade de deixar aqui as suas sugestões e dúvidas ou ir até lá participar na discussão. 




terça-feira, 20 de agosto de 2013

Meditação para iniciantes

Para quem está agora a começar a prática da meditação, existem algumas dicas úteis que podem ajudar. Vou fazer a explicação de todo o processo e para ter em mente aquilo que poderá esperar. 


Tal como toda a gente, eu também já fui iniciante nesta área e deste modo vou tentar passar os ensinamentos que me passaram na altura. Eu comecei a meditar aos 15 anos, num clube de ioga que havia na escola secundária. Inicialmente o meu professor explicou-me que é natural, ao inicio, sentir-mo-nos bastante impacientes e desconfortáveis em estar tanto tempo na mesma posição. Começamos a sentir comichão e dormência por todo o lado, mas com o tempo vamos esquecendo o corpo e aguentando cada vez mais, até que nos esquecemos por completo de como estamos fisicamente.

Foto retirada do site


Deve-se adoptar uma posição confortável. Desengane-se quem pense que para meditar precisar estar obrigatoriamente na posição de ioga conhecida, pois esta nem sempre é a posição mais confortável e nem todas as pessoas a conseguem fazer. Podem escolher por estarem sentados numa cadeira com as costas direitas, ou sentados sob uma almofada encostados a uma parede. O que importa é que tenha as costas o mais direitas possível e que adopte uma posição onde a sua energia possa fluir livremente. Pode também meditar deitado, de barriga para cima, braços e pernas ligeiramente abertos. Apenas deve ter cuidado para não arrefecerem nem adormecerem nesta posição. 

Depois de escolher a posição mais favorável, deve começar por relaxar todo o corpo. Leve o tempo que for necessário, ao seu ritmo. Inicialmente relaxar todo o corpo demora bastante tempo, porque não estamos habituados a dar atenção aos nossos músculos, nervos e tendões. Comece pela cabeça ou pelos pés, como preferir. Inicialmente começava pela cabeça pois era o mais "próximo" da minha atenção, indo até aos pés que é o mais afastado, mas com o tempo mudei para os pés que para mim é o mais fácil relaxar e a cabeça o mais difícil. 


Vou exemplificar começando pelos pés, mas pode seguir a outra forma, como preferir:
Foto retirada do site
Fixe a sua atenção nos dedos dos pés e sinta eles a relaxar. Se não os conseguir relaxar, obrigue-os com a sua força de vontade, afinal é o seu corpo. Se ele não estiver a responder à sua vontade, só mostra como o seu corpo está desfasado da sua mente. Se mesmo assim, os dedos não obedecerem, mexa-os ligeiramente e depois volte a tentar relaxar. Continue com o processo, subindo pelos pés, tornozelos, pernas, joelhos, coxas, coluna vertebral (vértebra a vértebra), órgãos internos, mãos, braços, ombros e na cara faça de forma pormenorizada como: queixo, boca, nariz, bochechas, olhos, sobrancelhas, testa e coro cabeludo. O objectivo é relaxar TODOS os músculos que  não estão a utilizar para se manter na posição em que se encontra. A posição mais relaxante neste caso, é mesmo deitado no chão, mas corre o risco de adormecer. Pode não saber quando está relaxado, mas o truque é sentir que está a despir-se do seu corpo ou se tiver deitado no chão, que está cada vez mais colado ao chão ou cada vez mais leve. 
Quando estiver totalmente relaxado (demore o tempo que for necessário), deve usar uma das técnicas para acalmar a respiração. Deve respirar sempre pelo nariz, tanto a inspirar como a expirar. Concentre-se na sua respiração, faça respirações cada vez mais pausadas. Uma forma de relaxar a respiração é: de forma suave conte mentalmente até 6 a inspirar e até 12 a expirar, repetindo várias vezes. Deixa-se ir, respire normalmente, até que já não "ouça" a sua respiração. 
Foto retirada do site
Existe outra técnica de respiração muito útil para exercícios de visualização, viagens astrais ou viagens interiores. Chama-se técnica do 4, que consiste em inspirar contando (mentalmente) até 4, aguentando o ar contando (mentalmente) até 4, expirar contando (mentalmente) até 4 e permanecer de pulmões vazios contando (mentalmente) até 4.

Após ter cuidado do corpo, vai então cuidar da mente. Primeira coisa muito importante: esvaziar a mente. NÃO CONTROLE OS SEUS PENSAMENTOS, deixe eles fluírem livremente. É como se tivesse a ver um filme com as cenas passar à velocidade que desejam. No início, os pensamentos são tantos que se atropelam uns aos outros, isso também acontece quando andamos mais cansados ou preocupados ou quando estamos muito tempo sem meditar. Deixe os pensamentos fluírem e verá que aos poucos eles vão acalmando e "ficando" mais tempo na nossa mente. Conforme for praticando vai deparar-se com meros segundo de vazio, onde já não há pensamentos. Aos poucos, esses vazios vão aumentando. Quando encontra esse vazio, está no centro do seu ser, da sua mente. Não os force, deixe eles venham naturalmente e se ainda tiver pensamentos a perturbarem esses vazios, deixe-os virem e irem consoante a vontade "deles". 

Quando estão no vazio é porque a mente já está relaxada e podem começar os exercícios de visualização, se for esse o objectivo. Se não, tentem meditar mais tempo aumentando o período de tempo com a mente no vazio. Esse estado de vazio permite-nos alcançar maior clareza de raciocínio no nosso dia a dia, assim como um maior controlo dos nossos sentimentos, pensamentos e acções. 

Tudo isto requer prática a é um lento processo, mas compensa bastante. Com o tempo, vai ficando cada vez mais fácil. Eu costumava (e ainda o faço) relaxar todo o corpo sempre que podia, principalmente antes de dormir. Aos poucos fui-me apercebendo da quantidade de vezes que estava tensa sem necessidade nenhuma, como se tivesse permanentemente alerta. Quanto isso acontece, ficamos muito cansados e prejudica a clareza de pensamento, para não falar de outros problemas como o stress e bloqueios energéticos. 
Foto retirada do site

Na altura o meu professor disse-me que quem fazia meditação tinha mais consciência do seu corpo e sente logo as mudanças, como quando adoece. Eu na altura fiquei na dúvida, mas agora percebo. Tenho uma sensibilidade completamente diferente sobre mim mesma. Sei mais facilmente quando vou ficar constipada ou por exemplo quando engravidei, o meu corpo deu sinais subtis muito no inicio, o que a maioria das mulher não estão habituadas a ouvir o seu corpo.

Este foi um tópico que abri no Forum Mundo Verde, por isso sinta-se à vontade de deixar aqui as suas sugestões e dúvidas ou ir até lá participar na discussão. 

segunda-feira, 19 de agosto de 2013

De 19 a 25 de Agosto

A carta da semana é o 7 de espadas, representada pela Deusa Blodewedd, Deusa astuta e vaidosa de Gales. A frase que a define é a seguinte: “Meu rosto esplêndido, delicado como uma flor, deslumbra e engana. Meu sorriso esconde apenas a falsidade, a deslealdade e a traição.”

Esta semana teremos uma energia muito calculista que pode levar a alguns exagero e a possibilidade de passar por cima de quem está à nossa volta. Sentimentos de vaidade, de não olhar a meios para tingir os fins e de grande frieza de raciocínio, são algumas das características desta semana.

Conselho: por vezes é necessário usar máscaras e esconder o que realmente somos e sentimos, pois a sociedade assim o exige. No entanto encontre o meio-termo e não ultrapasse certas linhas de falsidade e perversão. Tudo tem seu peso, conta e medida. 

sexta-feira, 16 de agosto de 2013

Abertura do circulo mágico


Escrevi este post apenas por conhecimento próprio que fui adquirindo ao longo de várias leituras, por isso é algo muito leve e existe bem mais informação que o pode completar para quem pretende saber mais sobre o circulo mágico. O que pretendo é explicar a abertura do circulo mágico de uma forma simples e acessível a todos, mas por vezes, acabamos por tomar por assumido algum conhecimento, principalmente quem anda nestas andanças a algum tempo, acaba por se esquecer que existem sempre pessoas novas a entrar e que não olham da mesma forma que nós para esta informação. Logo se surgir alguma dúvida fiquem à vontade para perguntar.  

O circulo costuma ser invocado e utilizado para a realização de feitiços e rituais. Na criação do circulo criamos um espaço único de protecção que nos permite trabalhar sem a influência de entidades e energias menos boas que não queremos atrair. Dentro do circulo não existe tempo nem espaço, como se estivéssemos à margem de todas as dimensões. Existem várias formas de abrir o circulo e acredito que, desde que se tenha fé no que se faz, todas elas são eficazes. 

Foto minha


Podemos abrir o circulo com a varinha ou o athem, mas o bom mago não necessita de qualquer instrumento para o fazer, a não ser o poder da mente. Além disso qualquer instrumento por si só não faz absolutamente nada pois é sempre necessário a concentração e visualização da pessoa que está a trabalhar a sua arte. No entanto, estes instrumentos podem ajudar na concentração do mago ao canalizar a sua energia e ao imaginar a linha em que se cria o circulo. Existe também a possibilidade de delimitar o circulo com materiais físicos, por exemplo pedras semi-preciosas, o que pode ajudar também na visualização dos limites do circulo onde se trabalha. 

Costuma-se abrir o circulo pelo quadrante Este ou Norte, mas não é obrigatório que assim seja. Afinal é um circulo e no final tem que estar unido. Contudo, sempre que estamos perante o quadrante é importante que se tenha a noção da sua representação e do seu poder. A invocação feita depende de cada um, tanto pode ser mais elaborada como algo simples e intuitiva. Há quem faça a abertura através dos pentagramas, mas lá está, depende de cada um. Ao abrir o circulo é importante ter em conta que devemos seguir pelos ponteiros do relógio e ao fechar andamos no sentido contrário (no Hemisfério Norte, para o Hemisfério Sul pode variar). 

Seguindo o sentido horário e começando por Este temos:
O Quadrante Este é representado pelo elemento ar, a racionalidade, o amanhecer, a primavera, o nascimento, a infância,... 
O Quadrante Sul é representa pelo elemento fogo, a intuição, o meio-dia, o verão, a adolescência e juventude....
O Quadrante Oeste é representado pelo elemento água, as emoções, purificação, o anoitecer, o outono, a maturidade...
O Quadrante Norte é representado pelo elemento terra, o físico, a meia-noite, o inverno, a velhice e morte...

Ora se repararem o circulo em si representa vários círculos, todos eles ligados a nós. Ele representa o dia, o ano e a vida (e morte) onde não existe nem principio nem fim. 

Para além dos quatro elementos ainda existe um quinto elemento que pode e deve ser invocado, O Espírito que faz parte do todo, assim como os Deuses. Só assim o circulo está completo, tal e qual um pentagrama. 

O circulo realmente funciona como nosso protector, no entanto, quanto mais forem praticando e aprofundado a sua representação mais facilmente irão perceber a sua complexidade e o seu enorme poder. Por vezes, para mim, o simples facto de criar o circulo é mais que suficiente para me começar a sentir bem, sentir a presença dos elementos, dos Deuses é algo que não tem palavras para descrever. 



Algo que me irrita profundamente é quando ouço alguém que não tem nada a ver com paganismo, mas sabe da existência do circulo e quer fazer magia (os chamados Wicca coca-cola e não só). Como é que alguém que não tem qualquer fé nos elementos nem nos Deuses, não conhece o seu poder e a sua representação, pode abrir um circulo para sua protecção? O circulo não é uma ferramenta, é uma crença, é algo que se tem que sentir, entender e interiorizar e isso demora o seu tempo. O contacto com os elementos e com os Deuses, só com perseverança e prática conseguimos melhorar a cada ritual. Com o coração aberto e dedicado a esta crença, sem isso nada feito. 

Foto minha


Como nem sempre encontramos formas de abertura de circulo e acho que isso se deve por ser uma prática pessoal, assim como não devemos contar os nosso rituais. No entanto, se não partilharmos as nossas práticas como irá passar a informação para quem quer aprender e não tem acesso a nenhum coven por perto?

Decidi contar-vos como faço, mas mais um vez refiro que devem ter em mente que é apenas a minha experiência e não a forma certa ou a única forma de o fazer. 

Eu tenho duas formas de abrir o circulo, depende do intuito. Quando quero meditar de forma mais concreta (não vos consigo explicar melhor isto) abro o circulo como aprendi na OBOD



Começo pelo norte e digo:"Que haja paz a Norte", depois (e o mais importante) visualizo uma onde de paz a sair de mim em direcção a Norte, primeiro para as casas vizinhas, depois para as cidades e depois para países, a atravessar oceanos e chegar a outros continentes. Vou pelo sentido horário para Sul e digo: "que haja paz a Sul", lançando a mesma onda de paz, depois a Oeste e por fim Este, no final volto-me para dentro do circulo e digo "Que haja paz em todo o mundo" e consigo sentir o ligamento das ondas de paz que enviei e envolverem todo o planeta Terra. Neste caso não fecho o circulo, lancei ondas de paz, não as vou retirar.

Quando pretendo fazer um ritual ou conversar com os Deuses ou algo que sinto que preciso de protecção então abro de outra forma. 
Começo pelo Este, de braços abertos digo "Guardiões dos quadrantes do Este, eu vos invoco para o meu ritual. Sejam bem-vindos" por vezes acrescento algo relacionado com o elemento deste quadrante, mas nunca é igual e é algo que me surge no momento, tal como "tragam-me o vosso conhecimento, a vossa razão, a vossa sabedoria" isto porque o Este está ligado ao elemento ar e como tal à racionalidade. Depois tento visualizar um corrente de ar. Coloco a minha mão direita com a palma da mão voltada para baixo e imagino a traçar uma linha dourada até chegar a Sul, abro os braços voltada para Sul e volto a dizer o mesmo "Guardiões dos quadrantes do Sul, eu vos invoco para o meu ritual. Sejam bem-vindos" e imagino um chama de fogo ardente. Sigo até Oeste a traçar a minha linha e volto a dizer "Guardiões dos quadrantes do Oeste, eu vos invoco para o meu ritual. Sejam bem-vindos" e imagino um lago ou uma onda do mar, sigo para Norte a delimitar o circulo e volto a dizer "Guardiões dos quadrantes do Norte, eu vos invoco para o meu ritual. Sejam bem-vindos" e imagino o cheiro da terra e sinto a sua estabilidade debaixo dos meus pés. Continuo a delimitar o circulo até Este para ficar concluído, vou até ao centro do circulo onde já tenho previamente o altar montado voltado para Norte. 


Foto minha 

Acendo um incenso e digo "Elemento ar sê bem vindo", depois acendo uma vela e digo "Elemento fogo sê bem vindo", molho os dedos num cálice com água, borrifo um pouco o altar e digo "elemento água sê bem vindo", por fim seguro o meu pêndulo ónix nas mãos e digo "elemento Terra sê bem vindo". Costumo ter o meu colar de pentagrama ao meio, ponho as minhas mãos sobre ele e digo "Espíritos de luz, Espíritos deste lugar protejam este circulo sagrado, sejam bem vindo a este ritual". Acabo por acender uma vela vermelha que tenho à direita do altar e invoco o Deus e depois uma vela branca que tenho à Esquerda e invoco a Deusa, dou-lhes as boas vindas e começo o ritual. 

No final agradeço aos Deuses a sua presença assim como aos espíritos de luz, vou até ao Este e digo "Guardiões dos Quadrantes do Este, obrigada pela vossa presença neste meu ritual. Ide agora em paz." Coloco a minha mão esquerda voltada para baixo e imagino a linha dourada a subir para a minha mão e a apagar, vou até ao Norte e digo o mesmo, depois Oeste e Sul e apago a linha até ao Este. Se as velas e incenso ainda tiverem a arder, deixo-as a arder até ao fim. E é isto!



Este foi um tópico que abri no forum Mundo Verde , por isso sintam-se à vontade de deixar aqui as vossas sugestões ou irem até lá participar na discussão. 

segunda-feira, 12 de agosto de 2013

De 12 a 18 de Agosto

A carta da semana é o 2 de paus, representada pela Deusa Ataentsic. As frases que a definem são as seguintes: “Companheiros e inimigos em um duelo lúdico que nunca vai acabar. Eternos rivais mas amigos sinceros. O antagonismo torna-se colaboração, aliança torna-se conflito.”

Esta semana irá sentir alguns altos e baixos. Problemas, assim como os bons momentos, irão estar presentes. Pode não se dar conta, mas são os problemas que nos fazem mudar e avançar e por vezes é através das boas situações que eles surgem.

Conselho: esta semana deixe-se levar pelas situações. Não se preocupe demasiado com os conflitos e tente superá-los da melhor forma possível. Se não se deixar levar demasiado a baixo por eles, quem sabe se não encontra ali uma oportunidade que não tinha visto antes?

terça-feira, 6 de agosto de 2013

Agosto

Olá a todos
Mais um mês do projecto fotográfico. Deste vez celebramos as primeiras colheitas e como não podia deixar de ser, decidi fotografar algumas árvores de frutos durante as férias, sendo esse o tema: frutos


Confiram também as fotos do outro blog associado Errar, superar, aprender e recomeçar é assim que devemos levar a vida.



Espero que gostem e se desejas juntar-te a este projecto ainda o podes fazer, basta deixares um comentário com essa tua intenção. 


Ameixoeira 


Macieira 
Videira


Um laranjal

Pessegueiro



Um morangal



Paganismo como origem dos rituais católicos

Este tema é tão vasto que até tenho medo de me perder. Não posso fazer referência de fontes porque aquilo que sei fui lendo aqui e ali e acabei por o registar na memória. Por isso são palavras minhas e vale aquilo que vale, mesmo assim gostaria de partilhar o meu conhecimento convosco.
Existem tantos rituais católicos que foram adoptados do paganismo que chegamos ao ridículo de muitos católicos fazerem certas coisas sem saberem o porquê de as fazerem. Começamos pela roda do ano e pelo Sabbath Yule! O natal sempre foi uma das minhas alturas preferidas do ano. Existe uma certa magia no ar contagiante. É normal fazer-se a árvore de natal e o presépio. O presépio é a representação da história do nascimento de Jesus e até ai tudo bem. A dúvida sempre foi "e a árvore de natal? De onde vem?". 
Foto retirada do site

Desde que me lembro de ser gente que faço esta pergunta e uma das respostas que a minha avó me dava era a seguinte: "não sei muito bem, mas acho que está escrito algures na bíblia que quando o menino Jesus nasceu deram-lhe prendas e foram colocando-as numa árvore e por isso se enfeita a árvore nesta altura do ano." A explicação até pegou por algum tempo, mas se fosse esse o caso não seria suposto fazer a árvore depois do natal? Além disso as únicas prendas que ouvi falar foram dos Reis Magos e aquilo que eles ofereceram não era propício para enfeitar uma árvore. Até que há uns anos atrás lembro-me de ouvir na televisão que um bispo tinha pedido aos católicos para substituírem a árvore de natal por um "pano" na janela com a imagem do menino jesus em criança. Em Espanha a árvore de natal é muito controversa e muita gente já não a faz, a questão é porquê? Porque a árvore de natal é uma representação pagã. Era comum no inicio de Dezembro os pagãos saírem para o bosque e colherem alguns ramos existentes nesta época para enfeitarem a sua casa, a árvore de natal é um pinheiro, símbolo desta época do ano uma vez que é uma árvore que não tem folha caduca, assim como as grinaldas nas portas das casas feitas de azevinho e pinhas, para trazer protecção, ou o visco pendurado no tecto. Tudo isto são símbolos pagãos para celebrar o nascimento do Deus que ocorre no dia 21 de Dezembro. Ok estranho, Deus nasce a 21, Jesus nasce a 25, muito próximo não? Coincidência ou talvez não? É claro que não. Diz-se que o Deus nasce a 21 porque é o dia mais pequeno do ano (o dia com menor horas de sol e a noite mais longa), mas a partir desse dia os dias começam a ser maiores, no entanto na antiguidade acreditava-se que durante três dias mantinha-se a mesma duração da luz e os dias começavam a crescer no 4º dia. Bem é questão de fazer contas, o dia mais pequeno é dia 21, que depois se mantém no 22, 23 e 24, até que no dia 25 começam os dias a crescer. Não é difícil perceber porquê.


Foto retirada do site 

Outro caso extremamente flagrante é entre Ostara e a Páscoa. Soube este ano que a Páscoa é marcada pela lua cheia, o que me surpreendeu bastante porque nunca soube qual o argumento para marcarem o Domingo de Páscoa, mas tem a ver com a lua cheia (algo pagão, não?) Vemos as criancinhas por todo o lado com ovos da Páscoa e coelhinhos, agora pergunto o que é que isso tem a ver, com a morte e ressurreição de Jesus Cristo, bem nada... e tudo! Mais do que a morte os católicos celebram a ressurreição, a volta à vida. Ora não é isso que nós fazemos em Ostara? A volta à vida, o triunfo da luz sobre a escuridão? A mãe terra que volta a despertar e a ficar fértil? E agora os ovos e os coelhos onde é que se encaixam? Os ovos e os coelhos são símbolos de fertilidade, símbolos de Primavera, em que tudo volta a renascer. Será que os católicos sabem que ao comerem ovos da Páscoa estão a celebrar algo pagão?

Mesmo Beltane, não têm também os católicos a Ascenção  Que deve ser acompanhada pela apanha da espiga? Os primeiros grãos?

Litha é outro caso igual. As fogueiras de S. João não são precisamente o que fazemos na noite mais curta do ano? Onde há alegria e diversão por todo o lado?

E o dia de todos os santos? Visitar os cemitérios. Ora não é o nosso Samhain a celebração da aproximação do mundo entre vivos e mortos onde devemos honrar os nossos antepassados e enviar-lhes oferendas? De onde foram os católicos buscar a mania de enfeitar as covas nessa altura? 

Estes são talvez dos exemplos mais marcantes, mas existem muitos, muitos outros. Como a adaptação do pentagrama como a estrela de David, muitos Deuses e Deusas que foram (des)promovidos a santos (existem muitos casos destes na net basta procurar) dou o exemplo da Deusa Brigith que passou a santa Brigida (como conhecemos em Portugal). Aliás existem santos para tudo, que diferença existe entre o Santo António e Afrodite? Ou São Pedro e Zeus? e não soa um pouco a politeísmo existir um santo casamenteiro e um santo dos trovões, entre muitos outros?

Estas são apenas algumas reflexões, mas existem muitos mais exemplos. 


Este foi um tópico que abri no forum Mundo Verde, por isso sintam-se à vontade de deixar aqui as vossas sugestões ou irem até lá participar da discussão. 

segunda-feira, 5 de agosto de 2013

De 5 a 11 de Agosto

A carta da semana é o Rei de Espadas, representada pela Deusa Coatlicue, a Senhora Asteca das cobras. A frase que a define é a seguinte: “Honra e respeita a minha vontade e serás o meu súbdito mais amado. Ofende-me e desobedece e serás o meu pior inimigo.”

Esta semana irá necessitar de muita frieza de raciocínio. É importante que calcule bem os seus passos e que não tome atitudes precipitadas, em vez disso deve ser inteligente sabendo escolher quais as opções que o poderão favorecer e aquelas que não lhe trazem qualquer valor acrescentado.

Conselho: sei que nem sempre é fácil, mas por vezes precisamos ser rigorosos com as situações e pessoas que se encontram à nossa volta. Isto não significa que deva ser injusto e precipitado, mas sim que deve agir de forma ponderada, beneficiando quem lhe faz bem ou ignorando quem não lhe interessa

quinta-feira, 1 de agosto de 2013

Deusa Eos

Foto retirada do site
Eos é a Deusa Grega do amanhecer. É filha de Hiperão (Hyperion) e Teia (Theia) e irmã de Helios, o Deus do Sol e Selene a Deusa da lua. Eos, é também chamada de Aurora, sendo uma Deusa muito bonita e jovial com cabelos loiros, unhas rosa e pálpebras cobertas de neve. Tem uma carruagem puxada por cavalos alados, que a transporta durante as suas funções como Deusa do amanhecer. Inicialmente acompanhava o seu irmão Hélios durante todo o dia, até que mais tarde a Deusa Hemera tornou-se uma Deusa do dia, separando assim as suas funções da de Eos.

Eos era uma Deusa de vários amores. Inicialmente foi casada com o Titan Astreus com quem teve os ventos Boreas (Norte), Zéfiro (ou Zephyrus o vento do Oeste), Eurus (Este) e Notus (Sul) e também Phosphorus, que tinha como função voar antes do carro da sua mãe carregando uma tocha. Entre as suas paixões estiveram Ares, Orion e Tithonus (Titono), com quem voltou a casar. Tithonus era mortal, até que a Deusa pediu a Zeus para lhe conceder a imortalidade, esquecendo-se de pedir também a juventude eterna. Com ele teve dois filhos Emátion (Emathion) que se tornou Rei da Arábia e Mêmmon (Memmon), que se tornou Rei da Etiópia. Até que Tithonus envelheceu tanto que ela o mandou embora e os Deuses por piedade transformaram-no numa cigarra.


A Deusa teve ainda um filho com Céfalo, Faetonte (Phaeton) que foi levado por Afrodite para ser guardião de seu templo.